12 outubro 2017

Autárquicas na EJA - Uma pergunta que se impõe

-
Numa entrevista dada pela filha e pai Guedes a uma jornalista do jornal Observador, entre várias alarvidades, há uma que me sugere uma questão:

Quem vai pagar as despesas da campanha do MIME?

Será o MIME?

Será a Junta?

Será uma subvenção do Estado?

Segundo a jornalista:

"Quanto ao MIME, a subvenção do Estado vai dar para cobrir as despesas
que o movimento
independente teve com a campanha eleitoral, como astípicas canetas e quatro cartazes grandes espalhados pela freguesia"



Bem...


Quem estará enganado?


Parece-me que de acordo com a Lei terá de ser a "Família" MIME a pagar as despesas.

Vejamos:


Artigo 17º
------
------
Salvo melhor interpretação, para garantir a subvenção teria o MIME de concorrer a dois órgãos municipais.


Da muita "droga" que a jornalista Sara Otto Coelho engoliu, parece que os Ejenses deverão estar atentos.

05 outubro 2017

A Verdade a que os Ejenses têm direito



-
A campanha eleitoral para as Autárquicas de 2017, uns dias atrás, revestiu-se de promessas e mais promessas, que os “eleitores mal informados” até acreditaram. Mas fizeram-no conscientemente ou por falta de informação? 

A diferença entre o real e o imaginário é o aproveitamento da inconsciência duma população carenciada e mal informada.

As promessas de aumentar o “espaço para os mortos” as promessas de uma solução para o “saneamento básico”, promessas de emprego aqui ou ali e muitas mais promessas é só para “eleitores mal informados”.

Saberão os Egenses qual o orçamento a que a Junta de Freguesia tem direito?

Não. Não sabem. Se soubessem tinham tido mais cuidado.

Pois então vejam 




Parece-me evidente que só quem não tem informação ou quem vota nos seus “amores” desprezando os interesses da Freguesia, fez uma cruz de acordo com a sua “inocência”.

A realidade é que com 27.000 € por ano a Junta pouco mais poderá fazer do que pagar, e mal, aos seus “funcionários” para tratar das ervas daninhas, pagar a luz e a água e saborear uns cafés por fora.

É real que bem ou mal, sem o apoio da Câmara, a Junta é apenas um “apêndice” sem qualquer validade ou utilidade para os habitantes e interesses da Eja.

Os Movimentos têm destas coisas, nem são à esquerda nem são à direita, são qualquer coisa entre “carne e peixe”, são uma espécie de cultura “Vegan”.

Espero que no futuro os “crentes” tenham pelo menos a dignidade de ficar calados.

03 outubro 2017

Para memória futura (Eleições Autárquicas 2017)


Resultados eleitorais na Freguesia de EJA (2017)

De notar que o Movimento da Eja avocou a si cerca de 185 votos do PS, alguns do PSD/CDS, BE e CDU e de dois outros Movimentos (TR-PT e MM-SP) sem candidatos à Junta

28 setembro 2017

"ROMA NÃO PAGA A TRAIDORES"

-


Por altura do ano 139 a. C. Viriato opunha-se galhardamente aos exércitos Romanos derrotando-os sistematicamente. É então que Roma nomeia um novo general, Servílio Cipião. 

Estátua a Viriato - Viseu
O general não encontrando meios de superar a astúcia de Viriato trata com três dos seus correligionários o assassínio do Lusitano.

Esta traição resulta na morte do Guerreiro.

Quando os três traidores procuram a recompensa junto do General Servílio Cipião este dita a lendária frase:

"ROMA NÃO PAGA A TRAIDORES"

A verdade é que ainda hoje os traidores caminham pelas terras Lusitanas. Basta estar atento às notícias para encontrarmos muito disso. 

Ainda há uns dias atrás os “Jornais e TVs” anunciavam um candidato que em simultâneo se candidatava à Câmara pela CDU e a uma Freguesia pelo PSD.

Há militantes que ao não serem escolhidos pelos partidos de que foram ou são militantes, formam “grupos de cidadãos”, aplicam-lhes uma qualquer sigla, em geral começada por M. (de Movimento) e há que concorrer contra o partido que juraram defender.

Mas a traição muitas vezes torna os seus fautores mentalmente estéreis.

Todos os Partidos têm nos seus estatutos que qualquer militante que concorra contra o Partido noutras listas ser-lhe-á instaurado um processo disciplinar com vista à sua expulsão, mas a mentalidade estéril destes indivíduos é tão estéril que se “esquecem” de se demitirem do Partido.

Haja pachorra!


A morte de Viriato de José de Madrazo

Autárquicas na EJA - Uma pergunta que se impõe

- Numa entrevista dada pela filha e pai Guedes a uma jornalista do jornal Observador, entre várias alarvidades, há uma que me sugere uma qu...