31 julho 2006

2002 - A Reconstrução




Tendo em conta que as populações do concelho de Castelo de Paiva, apesar de administrativamente pertencerem ao Distrito de Aveiro, estarem profundamente ligadas ao Distrito do Porto e a Entre-os-Rios na outra margem do rio, a queda da Ponte Hintze Ribeiro trazia assim um transtorno muito grande.
A reconstrução da velha ponte começou de imediato.
Mas a verdadeira razão esteve na grande pressão exercida pelos responsáveis autárquicos e sobre tudo pela opinião pública desagradada com o proverbial "deixa andar político".

24 julho 2006

Entre-os-Rios 2006

Entre-os-Rios na Foz do Tâmega. Foto obtida da Capela do Senhor dos Remédios em Rio de Moínhos

A nova Via Rápida já funciona. Aqui em direcção ao novo Quartel dos Bombeiros

Vista da Via Rápida em direcção à nova ponte sobre o Douro e rumo a Castelo de Paiva

21 julho 2006

Ponte Hintze Ribeiro

A velha Ponte de Ferro, meses antes de soçobrar

Vista parcial do cais do Torrão e a nova Ponte

Vista do Rio Douro e lugar de Sardoura no Concelho de C. de Paiva e a nova ponte que esconde a velha Ponte de Ferro

15 julho 2006

Anos 70 - Entre Douro e Tâmega

Aqui se uniam o Douro e o Tâmega. Imaginem só um Verão passado em Entre-os-Rios

Entre-os-Rios visto do Cais(!) do Torrão
De fazer inveja a muitas praias marítimas

Para que conste e fique na memória

Ao fundo o Rio Douro e a velha ponte de Ferro. Quantos sabiam na altura o seu verdadeiro nome? Foi necessário um acidente de gravidade extrema. Há quantos anos se falava que aquela coisa "qualquer dia vem abaixo"?

Era lindo, não era? Mas o progresso...

07 julho 2006

A "Piscina"

Era a antiga margem do Tâmega por baixo da ponte Duarte Pacheco
O longo areal do lado do Torrão

Na década de 70 o Rio Tâmega era o consolo da rapaziada que se fazia banhar alegremente entre o areal e as águas rasas do rio

03 julho 2006

Na Confluência

A partir de hoje e durante algum tempo irei apresentar algumas fotos da zona de Entre-os-Rios e Torrão na década de 70.
Entretanto passaram 30 e alguns anos e muito se alterou neste espaço de tempo.
A barragem de Lever/Crestuma alterou profundamente o aspecto do Rio Douro e do seu afluente Tâmega. Para os mais novos poderá representar apenas uma curiosidade, para os mais velhos a saudade das banhocas, os "grandes" jogos de futebol nos areais e sobretudo as "grandes" pescarias rio acima, rio abaixo, conhecedores que todos eramos dos tais "fios de água" onde o muge acorria e onde seguindo o velho ditado "pela boca morre o peixe", lá ía a minhoca no anzol.
Os ventos mudam, o tempo passa e esta vida é de mudança; mas o passado existiu e qualquer que ele fosse faz parte vivida dos mais velhos e contos para os mais novos.
Dos mais novos quem já não ouviu o pai ou avô contar a estória dequele peixe de metro e meio (?!) que demorou duas horas (?!) a meter no barco? Afinal era um peixe bem grande (!) que cabia numa sertã!

Por alturas de Novembro já com os rios a anunciarem as cheias Invernosas
Cais do Torrão e ao fundo o areio de Boure


Dois aspectos do lugar do Torrão

“SOU DA RUA” – Para memória futura

- 2017-07-29 - Nesta data e como constava no convite, realizou-se o IV Convívio Sou da Rua. Por imponderáveis não me f...